5 Princípios do Zen para Viver Bem

5 Princípios do Zen para Viver Bem / Este artigo foi postado originalmente aqui / Autor: Darius Foroux / Tradução: Augusto Genehr

—————–

Adoro conselhos práticos que você pode aplicar imediatamente a sua vida. E o Zen , uma escola de Budismo Mahayana, está cheio de sabedoria prática.

Quando falo aos meus amigos, colegas e pessoas com quem trabalho que gosto de ler sobre o budismo zen, muitas vezes fazem comentários como: “Quando você vai deixar crescer o cabelo, caminhar com os pés descalços e conversar sobre ioga o dia todo?”

Esse é o modo de vida hipster. Não é o caminho Zen.

O que é Zen, na verdade? Para ser sincero, não sei. Não é uma religião, crença ou conhecimento.

Comecei a ler mais sobre o Zen quando eu aprendi que o lendário treinador de basquete Phil Jackson é muito do Zen e usou os conceitos para treinar Michael Jordan e Kobe Bryant.

E especialmente Kobe, uma pessoa com quem eu tenho um imenso respeito, abraçou os princípios zen. Quando descobri isso, queria saber mais sobre o Zen.

Phil Jackson também menciona uma citação Zen em seu livro Eleven Rings (que é sobre as corridas de campeonato dos Chicago Bulls e LA Lakers):

“Antes da iluminação corte madeira e transporte água. Após a iluminação, corte madeira e transporte água. ” – Wu Li

Minha interpretação é que não importa o que aconteça em sua vida; Você deve continuar fazendo sua tarefa. Eu também vivo com essa filosofia. Você pode substituir a iluminação por qualquer objetivo de vida. Nada muda quando você conseguir algo. Você ainda precisa fazer o que você pretende fazer.

Ao longo dos últimos anos, li mais sobre o Zen e tudo o que está relacionado com isso. O que descobri é que não é uma coisa inteligente ficar pendurado em definições, movimentos e grupos. Budismo, Taoismo, Zen – eles compartilham muitas das mesmas idéias. Para ser honesto, também não me importo quem é e que inventou certas idéias. Vou deixar isso para os pseudo-intelectualistas deste mundo.

Tudo o que sei é que muitos dos ensinamentos do Zen são muito úteis para viver uma vida tranquila e feliz. Então eu fiz uma lista de 5 lições do Zen que são práticas e facilmente aplicáveis ​​à vida moderna. Aqui vamos nós.

1. Zen – Encontre sua técnica de meditação

A parte mais importante da vida dos monges zen é a meditação. Eu tentei a prática de meditação sentada no passado. Não é para mim.

Então eu tornei a corrida e treinamento de força minha meditação. A coisa mais importante sobre a meditação é a seguinte: Pratique estar no momento.

Descobri que não importa o tipo de atividade que você faz. Meditação sentada, yoga, corrida, treinamento de força – você pode FAZER isso trabalhar para você. Certifique-se de que você e seu corpo são uma coisa só, limpe sua mente e faça isso regularmente.

Uma nota: a meditação não funciona quando você tenta fazer seis mil coisas ao mesmo tempo. Aprendi recentemente a fazer uma coisa de cada vez.

Eu parei de fazer coisas como ouvir audiolivros e podcasts quando estou trabalhando em algo importante ou quando estou me exercitando.

Desde que abandonei esse tipo de comportamento multitarefa, meus exercícios melhoraram drasticamente. Hoje em dia, me concentro completamente na tarefa em questão: correndo, levantando pesos, meus músculos, o jeito que respiro, etc. Eu ainda gosto de ouvir música porque isso se adapta facilmente como plano de fundo. Você não precisa se concentrar nisso.

2. Zen – Aproveite o Momento

Esta citação de Thich Nhat Hạnh, um monge zen vietnamita, diz tudo:

“Beba seu chá de forma lenta e reverente, como se fosse o eixo sobre o qual a Terra gira – lentamente, uniformemente, sem se apressar para o futuro”.

Olha, você não precisa fazer coisas inovadoras para viver uma vida significativa. Você não precisa ser a pessoa mais jovem a escalar o Everest. Na verdade, você não precisa ser a primeira pessoa a fazer nada.

Apenas garanta o aproveitamento da maioria dos momentos do seu dia. Eu digo maioria porque você provavelmente está muito ocupado para aproveitar todos os momentos. Isso não é realista a menos que você seja um monge. Mas parar por alguns segundos por dia e aproveitar o momento é algo que todos podem fazer. Sem desculpas.

3. Zen – A felicidade está mais perto do que você pensa

Frequentemente buscamos fontes externas para a felicidade: viajar, um novo emprego, mudar para uma cidade ou município diferente, um novo parceiro, mais experiências, etc. Mas se você está infeliz agora, provavelmente será uma pessoa infeliz com as novas experiências.

Uma citação do japonês Zen Master Dogen explica bem isso:

Se você não consegue encontrar a verdade exatamente onde você está, onde mais você espera encontrar?

Não procure felicidade em outros lugares. Encontre-a exatamente onde você está. Depois de se tornar feliz é mais fácil permanecer feliz.

4. Zen – Concentre-se no processo

Os monges zen e os mestres não se preocupam com resultados. Eles se concentram em hábitos, rituais e processos que apoiam o modo de vida do Zen.

Muitas vezes buscamos tão cegamente os resultados que queremos alcançar que nos esquecemos porque estamos fazendo isso.

Eu não acho que haja nada de errado em tentar alcançar resultados. Você não precisa desistir de tudo e se mudar para um mosteiro.

Mas, certifique-se de estar desenvolvendo hábitos e rituais que apoiem o que você está tentando alcançar na vida. Quando você se concentra no processo, o resultado seguirá automaticamente.

5. O significado da vida é estar vivo

Alan Watts era um filósofo britânico que foi apresentado ao Zen em 1936, quando participou de uma conferência onde D. T. Suzuki falou. Suzuki, um autor japonês, influenciou sozinho a propagação do Zen no Oeste.

E desde esse momento, Watts (21 anos na época) ficou fascinado com o Zen. Ele escreveu muitos livros. Um dos livros mais populares é Way of Zen. Watts também construiu um grande seguimento no Oeste. E devo dizer que gosto bastante do seu trabalho.

Especialmente a sua perspectiva sobre o significado da vida. Ele disse:

O significado da vida é apenas estar vivo. É tão simples e tão óbvio. E, no entanto, todos correm em um grande pânico como se fosse necessário alcançar algo além de si mesmos.

Isso parece óbvio, mas eu vou dizer de qualquer maneira: em vez de pensar, viva. Faça-se útil, resolva problemas, adicione valor e, o mais importante: aproveite.

Não apresse a vida. Antes que você se dê conta, tudo estará acabado. Para mim, esse é o verdadeiro modo de vida Zen.

Gostou desta publicação?

Compartilhe com seus amigos e ajude-os a viver com mais qualidade de vida.

 

Vou adorar saber o que você está pensando e sentindo. Por gentileza, deixe seu comentário, logo abaixo.

Gratidão! =)


Leitura Complementar: ZONA DE CONFORTO – Escape desta gaiola e voe alto!

Postado por Augusto Genehr

Augusto Genehr é Terapeuta Holístico, mestre em Reiki, Astrólogo, Instrutor de Yoga e Meditação. Há 8 anos se dedica profissionalmente a ajudar pessoas a se harmonizarem através do autoconhecimento.

  1. Adorei o texto! Continue na missão de mostrar o lado sutil da vida! Grata 🙂

    Responder

    1. Bom saber! Gratidão pelo comentário. =D

      Responder

  2. Muito bom o texto. comecei a praticar meditação no inicio deste ano e penso exatamente da forma colocada, ou seja, zen, budismo e taoismo não se diferem, pelo contrário, todos eles tem praticas que se completam. grato pelo texto, me sinto um pouquinho mais dentro do caminho agora.

    Responder

    1. Que bom! Fico feliz em saber. Gratidão pelo comentário. =)

      Responder

  3. Bom dia, Augusto! Blz?
    Excelente texto!
    Gratidão!
    Ângela Raguer

    Responder

    1. Olá, Ângela! Tudo beleza e contigo? =) Gratidão pelo comentário, fico feliz que você gostou do texto. Gratidão!

      Responder

  4. Maravilhoso esse texto. Não conhecia o budismo zen, mas sua filosofia plenamente simplifica muito a vida e, nos faz pensar que carregamos muitas cargas desnecessárias. A vida é assim simples, nós é que a complicamos!

    Responder

    1. Grato pela reflexão, Sueli! Também acredito que a simplicidade é uma virtude. Namastê

      Responder

  5. Olá Augusto, gostei muito do seu texto, eu pessoalmente tem uma afinidade muito grande com o Zen Budismo, inclusive de outras vidas. Sempre aquece meu coração e minhas raízes mais profundas. Gratidão! Namastê!

    Responder

    1. Olá, Mário! Gratidão pelo seu comentário. Bom saber que temos essa afinidade. Também adoro os ensinamentos do Zen! Uma pequena observação: o autor do texto se chama Darius Foroux, eu apenas o traduzi e repostei com sua permissão. Feliz continuar! Namastê

      Responder

Deixe seu comentário aqui!